Já ouviu falar de Paula Pimenta?

Estou com 13 anos. Apesar de adorar ler, escrever e já ter o meu futuro profissional completamente decidido na manga de minha camiseta, por minha idade, não sou completamente familiarizada com autores da real literatura brasileira, com livros de vestibular, como Machado de Assis, Manuel Antônio de Almeida, Jorge Amado, entre outros. Sou daquelas que lê livros de romance adolescente mesmo, de mistérios adolescentes, de vampiros adolescentes (heheh segredo), pois afinal, do que me adiantará ler agora um livro que eu tenho certeza que é maravilhoso por sua história e forma na qual foi contada, mas não irei apreciá-lo o suficiente por não me identificar? Há um tempo atrás li a resenha de um livro com uma sinopse muito interessante, e certo dia quando estava em uma livraria encontrei tal livro. Comprei. E quem me diria que esta seria uma das melhores compras que eu já teria feito em minha vida, não?

Quem me conhece sabe, eu faço a maior propaganda de Paula Pimenta, a autora do livro que “mudou minha vida”. Para isso decidi contar um pouquinho da história dessa escritora que tem crescido muito na literatura infanto-juvenil brasileira. Paula Pimenta, mineira de Belo Horizonte, formada em Publicidade e Música, e escritora atuante desde 2001 com o livro de poesia “Confissão.” Começou a alcançar sucesso como escritora em 2008/2009 com o livro “Fazendo Meu Filme”, que depois se tornou uma série de livros e está prestes a obter seu livro final, o quarto da série. Ano passado também escreveu o primeiro livro de uma outra série, no mesmo estilo de FMF, chamado “Minha Vida Fora de Série.”

Momento Sinopse: FMF conta a história de Fani, uma garota meio tímida super apaixonada por filmes. O desenrolar da história acontece ao descobrir que ele é apaixonado por ela. Opa, soou mega clichê e você já se perguntou qual seria a razão de eu estar resenhando os livros de uma autora que traduz filmes hollywoodianos para livros brasileiros. Mas é muito pelo contrário. Paula conseguiu transformar o romance básico de uma garota em uma história super envolvente, por ter escrito de uma maneira que desperta os nossos próprios pensamentos e sentimentos, como se estivéssemos no lugar da personagem. Além disso, a história envolve muito falas incríveis de filmes incríveis e músicas com ótimas letras, tanto nacionais quando internacionais. MVFS é de um gênero similar, pois conta a história de Priscila, personagem amiga de Fani em FMF. Sua história começa 3 anos antes da de FMF1, portanto, é muito engraçado ver a mudança de alguns personagens. Em minha opinião, MVFS é o melhor, pois 1. Ao invés da história girar sobre filmes, ela roda sobre seriados, pois a personagem é viciada neles… Assim como eu. 2. A história em si parece mais real do que FMF1, e como sou muito realista… Mas as duas séries são dignas de leitura e paixão. Por isso seguem abaixo alguns dos meus trechos favoritos (sabe aqueles que você tem que se segurar para não chorar? então…) dos livros de Paula:

“Fomos pro meio da pista, sem falar nada. Viramos um de frente para o outro, estávamos os dois tão sem-graça que eu queria cavar um buraco no chão! Ele se aproximou, me pegou pela cintura, eu coloquei os braços ao redor dos ombros dele, nossos rostos se encontraram e eu fechei os olhos. Em seguida, eu não sei de mais nada direito. Tinha outros casais na pista, mas eu não tenho a menor ideia de quem. A música estava alta, mas eu não sei dizer qual era. Eu tinha acabado de olhar o relógio, mas eu não lembrava mais das horas. Eu só sabia que eu queria que o tempo congelasse naquele minuto. E que aquela música não terminasse nunca mais. O que eu senti foi uma sensação pela qual eu nunca tinha passado na vida. Um tremor dos pés à cabeça, mas um tremor que me aquecia… e ao mesmo tempo aquele frio na barriga que não ia embora. Meu coração estava tão disparado que eu fiquei até preocupada do Leo escutar, porque nós estávamos praticamente colados. O corpo da gente parecia que tinha sido moldado um no outro e eu podia sentir o perfume dele misturado com o meu. Ele estava me abraçando tão apertado, e eu resolvi passar a mão de leve no cabelo dele, ele começou a mexer o rosto bem devagarzinho, nossas respirações estavam sincronizadas e aquele sentimento em mim foi ficando mais forte. Parecia que meus ossos estavam se descolando da pele, que eu estava leve, que ia voar.” Páginas 208 e 209 de Fazendo Meu Filme – A Estreia de Fani

“Oi, minha filhinha, acabei de falar com você ao telefone. Fico desesperada quando ouço você chorar e não posso te dar colo! Sinto um enorme sentimento de impotência ao te ver sofrer e não poder fazer nada para a sua dor passar! Só posso, então, te oferecer as minhas palavras. Filha, Vinicius de Moraes já dizia: “Porquê a vida só se dá pra quem se deu, pra quem chorou, pra quem amou, pra quem sofreu…”. Você, neste ano, está lidando constantemente com as suas emoções. A cada vez que conversamos você está de um jeito. Ora muito feliz, ora muito chateada, ora muito triste… “Morno” é uma palavra que não podemos aplicar a esse seu ano no exterior. Todos os seus momentos transbordam intensidade. E não seria assim a forma com deveríamos sempre viver? Fazendo cada minuto valer, em vez de deixar o relógio funcionar inutilmente? As “dores do amor” irão te acompanhar para sempre. Não sofrer significa não amar. Quando entregamos nosso coração para alguém, estamos atestando que não somos mais os únicos responsáveis por ele, nossa felicidade passa a estar também nas mãos de outra pessoa. Algumas vezes, essa pessoa nos entrega o próprio coração em retorno, e aí nos sentimos preenchidos. Ao contrário, quando ela prefere manter seu coração para si (ou entregá-lo para outro), ficamos super vazios, pois apenas o nosso já não nos basta.” Página 276 de Fazendo Meu Filme – Fani na terra da Rainha

Devido á FMF3 ser o penúltimo e com toda a certeza o mais aguardado de toda a série, pois relata quando finalmente o it casal da história fica junto, foi completamente impossível para mim selecionar somente um parágrafo ou uma página que tenha me marcado. Portanto, eu escolhi um capítulo. Que em minha opinião foi e deve continuar sendo mesmo com o próximo livro o mais importante e emocionante capítulo de toda a série, por se tratar de um resumo de todos os sentimentos que o garoto sentiu por gostar de Fani. Caso tenham o livro, ou pretendem adquiri-lo, é o capítulo 37. (Quem quiser que eu mate de escrever um capítulo inteiro pra vocês ou mande por e-mail ou etc, dá up ahahahah).

” “Uma das melhores coisas da vida são as surpresas que aparecem em nosso caminho. Quando eu cheguei a BH, quase seis meses atrás, eu nem imaginava o que vinha pela frente. Mas, certamente, eu não esperava que fosse me apaixonar. Eu não imaginava que, em um dia comum, exatamente como esse, eu encontraria alguém tão especial. E ele mudou tudo. Mudou minha direção. Meu jeito de pensar. Minha visão do mundo. Minha vida inteira.” A Samantha tinha aconselhado que eu dissesse essas palavras olhando para o Rodrigo, mas eu sabia que ele nunca me perdoaria se o pessoal da sala desconfiasse que eu estava falando sobre ele. Ele era tímido demais para uma exposição dessas. “Acontece”, eu continuei depois de um suspiro, “que esse garoto tem me feito cumprir uma pensa por um crime que eu nunca cometi. Ele simplesmente me acusou, sem deixar que eu me defendesse. Sendo que o meu único erro foi não tê-lo conhecido antes. Pois, se eu já soubesse que ele existia, certamente eu não teria perdido tempo com as pessoas erradas. Pessoas que passaram brevemente pela minha vida, apenas para me fazer perceber que não era nada daquilo que eu queria. Porque o que eu sempre quis era exatamente alguém como ele. Hoje eu sei que eu já era apaixonada por ele antes mesmo da gente se encontrar. Acho, inclusive, que ele não é de verdade… Deve ser fruto da minha imaginação. Algo que eu inventei e, de tanto que eu desejei, acabou se materializando na minha frente. Ainda mais lindo do que eu jamais poderia sonhar.” Eu parei de falar, e a sala estava completamente muda. A Glória estava com a mão no coração, com uma expressão sonhadora, que eu também vi no rosto de várias das minhas colegas. Alguns meninos pareciam meio entediados, mas a maioria estava até anotando algumas frases, provavelmente para repeti-las para alguém depois. “Mas, apesar de tudo”, eu continuei, “tem algo que ele não pode me tomar. Algo que vai sempre fazer parte de mim… As lembranças que eu tenho dos poucos momentos que nós passamos juntos. Eu tenho apenas 13 anos, mas eu tenho certeza que vai ser difícil, em algum momento da minha vida, superar a felicidade que encontrei nos braços dele.” Vi que a Glória estava com os olhos cheio de água e olhei rápido para o relógio. O sinal já ia bater. E eu ainda precisava dar a última cartada. “Para finalizar, eu só queria ler pra vocês algo que eu gostaria de dizer pra ele, caso ele estivesse aqui na minha frente e disposto á me ouvir…” Fui até a minha mochila e tirei um livro de poesias. Eu tinha passado horas no dia anterior revirando livros e mais livros, procurando um poema que contivesse tudo o que eu queria dizer pra ele. Porque, se tinha algo que eu sabia que poderia tocá-lo e que eu ainda não tinha tentado, essa coisa era poesia. “Eu vou ler um poema que faz parte de um livro da Paula Pimenta, uma autora que eu adoro. O livro se chama Confissão, e o nome do poema é ‘Você’. Eu gostaria de ter criado esse poema, pois ele realmente possui tudo o que eu queria dizer… pra você.” Eu respirei fundo. E comecei.

“Estou com saudade de você. De você mesmo. É. Você aí. Você que me provoca todo esse frenesi… Que me faz morrer do coração a cada vez que te vejo. Você que tem a voz mais doce do mundo. Que tem esse sorriso que devia ser proibido por ser tão perfeito. Você que me faz ficar pensando. Que me faz rir. Que me faz chorar. Que me faz te querer parado na minha frente, só para eu ficar olhando… Você que é meu sonho preferido. Que me faz querer estar mais bonita a cada dia… Só para você querer olhar pra mim também. Você que é a razão de tudo o que eu escrevo, dos meus planos, da minha falta de senso. Que causa o meu sorriso só de lembrar, mesmo agora, depois de tanto tempo. Você que me inspira, que me realiza, que me faz sentir viva. Que não tem noção de que eu giro em torno da sua órbita. Você que passa e derrama música no caminho… Que é tão especial por não saber que é tanto assim. Você.” ” Páginas 370 á 372 de Minha Vida Fora de Série.

Gostaram de Paula Pimenta? Perdão pelo longo texto, é que só escrevo bem de tudo que merece.

Anúncios

3 comentários sobre “Já ouviu falar de Paula Pimenta?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s